"I´m a princess! And this is not how a princess is supposed to look!"

Sariu no Facebook

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Uma Noiva agarrada a um moranguito.


Hoje levei uma noiva agarrada a um moranguinho.
A Noiva alegre envergando o belo do bouquet, feito de flores felpudas e 0% natural, estava quase tão nervosa como uma verdadeira. Contudo, bem vaidosa por, mesmo que apenas na sua imaginação, ser já uma adulta e hoje ser um dos dias mais felizes da sua vida. Logo, logo verá que não passa de uma farsa.
A mais piquena, também radiante por estar com uma novo look, teve direito a uma pintura facial, replicando o seu moranguito. Na verdade, só a teve por breves segundos, ainda não tem maturidade suficiente para perceber que uma gaija tem que se besuntar toda para ficar mais bonita e portanto, decidiu ver com os dedos como é que aquilo era e num instante passou de moranguinho a pintura rupestre.
A combinação foi perfeita uma noiva radiante, quase que a lambuzar-se com um moranguito!
Aparentemente a onda da Minnie é que dura e dura e dura! Lembro-me de há anos, muitos anos, me ter mascarado de Minnie. Das duas uma ou eu já era muito à frente (também é uma verdade) ou mudam-se os tempos, mas não se mudam as vontades!

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

O meu carro até assusta os ladrões!

Sabeis bem que o meu veículo é topo de gama, ou melhor já foi, um dia, talvez na minha imaginação. Às vezes confundo sonho com realidade!
Pois bem, para além da direção assistida (a braços), dos vidros elétricos (da frente, e sabe Deus!), e do look que agora decidi implementar, graças à Chuva de calhaus. Tenho a enorme vantagem de ter comando à distância, uma distância tão grande, tão grande que nem lhe chego. Mas ainda assim é muito obediente, é só meter a chave no canhão da porta e se virar para a direita ele imediatamente abre, se virar, para a esquerda ele fecha. Quem dera a muitos ter assim um bólide tão bem mandado.
Aparentemente tudo normal, mas hoje aconteceu magia! Em horas muito alegres (8h00) e sem a ajuda do homem-bala, na ânsia de sair de casa para cumprir todo um ritual que eu adoro, dou por mim a revirar a carteira, o casaco e tudo o mais que se possa imaginar em busca da tão desejada chave que me leva, a mim e às réplicas, a satisfazer os deveres a que a sociedade nos obriga – trabalhar, trabalhar, trabalhar!
Saco do meu olhar ameaçador e interrogo as catraias sobre o paradeiro da dita. A mais velha descarta-se e a mais nova responde-me com um sorriso, como que se eu estivesse a falar ucraniano, todavia, aos seus olhos a pergunta seria qualquer coisa como: (ler com sotaque russo) - sábias que o présidente foi destituído?! - Responde-me com uma gargalhada e vai à vida dela. Aquilo até me aleijou os nervos!
O horror instalado, e a marquesa R lança uns bitaites muito produtivos, um deles aguça-me os tímpanos: Não deixas-te no carro?
À pergunta ligeiramente parva, vá lá, pode ser atribuída alguma credibilidade. Tenho de admitir que a gestão à saída da viatura é mais ou menos assim: Saio eu com tudo o que é quinquilharia, abro a porta da mansão, depois a Marquesa R com os seus haveres e deixo as mãos bem livres para ir recolher a marquesinha da cadeira. Não sem antes, ela me deliciar com uma palhaçada fazendo de conta que dorme, é certo que com os olhos abertos, e largando até um ressonar para credibilizar ainda mais a coisa. Nessa altura, entro na farsa e aproveito para fechar o carro no trinque, no lado do pendura.
Perante isto, já se prevê o que aconteceu, certo! Eu bem que temia que um dia destes isso acontecesse, mas achei sempre que não ia ser assim tão incompetente!
O brilhantismo disto tudo é que ninguém me levou o carro. Talvez seja porque não o acham grande espingarda. A minha vizinha aliás, já tinha comentado comigo, a propósito da queda de calhaus e perante o facto do carro do homem-bala ter partido os vidros em vez do meu:
- Olha que pena, havia era de ser o seu, que é mais velhinho!
Não lhe respondi mas se o tivesse feito, diria qualquer coisa do género:
- É pois, sua vaquinha, o meu é velhinho, devia mesmo era ir para abate, não faz cá falta nenhuma, não é? E se fosses masé trabalhar e deixasses o meu rottweiller sogadito antes que ele te morda?

Valeu-me ter uma cópia em casa, caso contrário adivinhava-se mais despesa e muitos nervos.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

A prova

Para verem como eu não exagero, aqui fica uma imagem da bicha quando está a escamar!
Agora não digam que sou eu!

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Bicho-bicha - Episódio especial

Tenho-me baldado com o ponto de situação da novela romântica “Agora escolha: Bicho-bicha”. Pois bem, hoje é dia de episódio especial, grandes revelações e confidências estão prestes a ser desvendadas.
A propósito, cheguei a pensar fazer uma petição para a extinção irrevogável do bicho-bicha, mas tenho de admitir que consigo retirar alguns momentos divertidos, protagonizados em grande parte pela marquesinha. E também deixaria uma fração familiar ligeiramente desgostosa. Por incrível que pareça, prós lados do homem-bala, há quem ache o bichinho adorável. Pretendem fazer da minha mansão um laboratório de procriação e tentam mesmo convencer das encantadoras vantagens do réptil. Valha-me Deus!
Adiante. Considerando que estamos perante momentos de desânimo nacional, seria também um sucesso de audiências, se lançasse um concurso e de deixasse à vossa consideração o sexo do dito.
Podia ainda, divulgar um número daqueles de valor acrescentado, para vos garantir um chorudo prémio de milhares de euros, o que seria claramente parvo, uma vez que não tenho dinheiro nem para mandar cantar um cego! Sendo assim, prefiro conquistar a vossa atenção pura e simplesmente com a revelação à bruta.
Tendo em conta que é episódio especial, já devem ter percebido que estou a “encher chouriços”, mas são estratégias de marketing (vício de profissão).
Agora que já conquistei a vossa atenção, e uma vez que já devem estar um tanto ao quanto irritados com tanto suspense, passo de imediato à grande revelação.
Não sem antes vos dizer que o animal já mudou de look outra vez, e deixem que vos diga, fica ainda mais feio cada vez que escama. Pelos visto tem a ver com o rápido crescimento, razão pela qual os convidados lá de casa, chegam e dizem mais ou menos aquilo que dizem das marquesinhas: “Ai está tão grande!”.
Isso é deprimente e inspira-me cada vez mais a, sem querer, lançar-lhe, sei lá, uma alface, talvez. Não sei se vos disse, mas o animal pode bater a caçoleta se comer alface.
Pronto, agora que já vos irritei bastante, posso finalmente dizer que o tempo tem determinado que o domínio lá da mansão vai para… gaijas! Gaijas ao poder! O que me leva a pensar, ai onde isto vai parar?!
Não querendo, como é evidente meter o bicho-bicha na mesma gamela que as restantes gostosas da mansão, tudo indica que o bicho é bicha. E digo isto, sem qualquer propósito homofóbico, é bicha, ponto!
Posto isto, deixo só mais uma consideração à “dragona”:
- Querer, queria era que o Lopes da Silva te apanhasse a ti! ... psst…cala-te:
http://www.youtube.com/watch?v=sLihiP2_0_s&list=RDVKTlpgL0Bgw

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Mais um dia para comemorar!

Hoje é dia de ramboia, regabofe, festarola, pantominice, porquê? Porque Homem-bala decidiu que hoje é dia de seu aniversário, é, ele tem destas coisas, uma vez por ano, e tem graça que é sempre no mesmo dia, lembra-se de fazer anos.
Fevereiro é aliás um mês de comemorações, começa com segundo dia, já aqui notado. Ao dia 10, pela primeira vez celebrei o primeiro ano da minha sobrinha maravilhosa, (aquela que rosna por comida), depois o dia de S. Valentim, de que gosto muuuito (devia era falecer!) e vem agora o aniversário do meu homem-bala.
O brilhantismo disto é que o maior presente veio para mim, pois dia 20 é dia de S. Receber, fiquei estonteada com o valor líquido, foi com certeza espremido, tão espremido, que até esguichou para os cofres do estado, estou em crer que foi o sumo que sobrou, foi daquelas laranjas sem ponta de sumo! Para a próxima preferia que me pagassem o sólido, sff.
Voltando ao que me trouxe à conversa, sem entrar em depressões, e lembrando que a vida é ela própria uma festarola. Ontem aproveitei a ausência do (hoje) aniversariante, para, bem à maneira tuga, ir comprar a deslumbrante oferenda. Agarro em meia dúzia de ideias, carteira em riste e lá vou… ah, lembrei-me, tenho que levar as piquenas... hum, deprimo, no minuto a seguir e reflito bem se realmente quero ir a um shopping com duas catraias, procurar um prenda, e sem o gaijo para segurar as pontas.
Bom, mas tem mesmo que ser, de outra forma, não vai ter direito a nada. Fico nostálgica e lembro com saudade os bons velhos tempos em que apetecia-me e fazia, não havia cá rotinas, regras, e tanto fazia ser dia de semana, agora – INCHA!
Cheia de coragem lá vou eu, mais as duas réplicas. À mais velha, que já tem idade para me ouvir, (se bem que perceber, tá 0) explico que vamos só com aquele objectivo. Não há cá Violetta, Disney, gomas ou outros magnéticos que estes senhores tão bem exploram e que me tiram do sério. No carro vai absorvendo a informação, mas logo logo esquece.
A marquesinha, que nunca sabe muito bem ao que vai, mas mesmo assim vai, sempre reinadia. Chegada ao destino, vem-me à memória aquelas festas do norte, e que os Madredeus materializam com a “vaca de fogo”, lá vai ela, ninguém a segura, todos lhe acham graça, mas ninguém a apanha!
Reflito e reequaciono todo o plano. Primeira e única paragem, seja a que preço for, vai estar aqui a prenda ideal, nem que chovam canivetes. E assim foi, aceleradamente, resolvo dar de comer à manada e abalar, não sem antes ter que arranca-las a ferros de tudo o que é carrossel. Elas é que andam e eu é que fico a suar como uma égua e enjoada com tanta turbulência.
Que agradável, já no descanso do lar, apercebo-me da chegada do responsável pelo alvoroço, que antes de me vir idolatrar dá prioridade ao filho casulinha.
Eu que tentava o merecido descanso, sou interrompida por cadeiras a arrastar e outras movimentações estranhas aquela hora, decido averiguar. Dou com um cenário dantesco e o sujeito desorientado.
- É pá, fugiu-me uma barata.
- xxx
Não conto o resto, porque se prevê!

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

5 estrelas, esta segunda-feira!

5 estrelas, não podia ter terminar melhor este dia de segunda-feira.
A Stephanie veio plagiar a troika, veio sem aviso, leva tudo à frente sem dó nem Piedade, e deixa um rasto de destruição!
Já vos tinha dado conta das últimas medidas levadas a cabo pelo meu serviço no sentido da contenção aqui. Chegou agora a vez dos cortes no aquecimento.
Ora considerando o estupendo tempo de que temos vindo a usufruir, esta notícia caí que nem ginjas.
Posto isto, aproveitei como pude o último dia em que o aquecimento não foi apenas o do computador. Daqui por diante, resta-me o calor humano e se vir que está difícil, opto por bater palmas ou começar a dançar para aquecer a alma e o corpo. Quem estiver de fora pode até achar estranho, mas obviamente vai acreditar que estamos mais alegres do que nunca e que ali sim, há alegria no trabalho!
Já em casa, o ambiente também é muito festivo, desta feita a protagonista marquesa R, hoje sentiu na pele a ditadura do: eu sou mais forte do que tu, por isso come e cala-te!
A cena desenrolou-se em volta da sopa de hortos com feijão! Entenderam os manda-chuvas que hoje era para comer sem a tortura da varinha mágica.
Foi o holocausto, o Hitler deu-lhe todo o tempo deste dia, mas aqui para a Ângela Merkel estava a ser deveras irritante, pois a rapariga entendeu que venceria se não se mexesse.
Vai daí, caos instalado na vã tentativa de rápida resolução.
Quem estava nem aí, era claro, a marquesinha, que alegre da vida, decide cantar e dançar as músicas que vai pondo no telelé. Por muito séria que me queira manter, acabo por soltar alguns circunspectos sorrisos.
Homem-bala, que encontra no bicho-bicha a terapia para aliviar o stress, decide soltá-lo! A mansão transforma-se numa casa italiana, e a piquena marquesinha, interroga vezes sem fim: A bicho? A bicho? A bicho? Mesmo que alguma alma desta casa queira manter a sanidade é humanamente impossível, indescritível!
A marquesa R, vai passando pelos pingos da chuva, mas sem que os pais desistam, e de quando em vez fazem nova investida!
Depois de algumas tréguas, vamos iniciar a descida do avião preparando um rico soninho, mas e como nada nesta mansão é normal, o homem-bala considerou que estava a tempo de ensinar o hino nacional a uma piquena de 20 meses. Ora o que também não seria de esperar era que ela entrasse em delírio, mas claro que  ama.
Por isso deixo a vossa imaginação à vontade para  traçar o momento. Deixo apenas uma dica: às armas, às armas!

Porque hoje é segunda...

Sem mais...

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Love is in the air...

Dia dos Namorados, o dia em que se celebra o amor, a paixão entre amantes e a partilha de sentimentos, a roda-viva da troca de chocolates, dos postais e das flores, os jantares românticos, noites especiais e os planos para arrebatar a cara-metade.
Embebida pelo espírito e na magia do dia, tenho que admitir que… a chuva já me está a irritar!
Quem me conhece já devia estar a achar estranho tanto melaço. Gosto tanto deste dia como de coçar um cãozinho carregadinho de pulgas.
Quer dizer, também não é que abomine, considero só que é um tanto ao quando parvo, vá lá!
Mas bem sei que me espera um final de dia radiante, momentos inolvidáveis de puro amor, tempo para uma inesperada massagem tailandesa, ou um jantar com muito romantismo, ou quem sabe uns docinhos, umas flores e um postalinho onde se pode ler:
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;
É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É
cuidar que se ganha em se perder;
Amor, amo-te até ao infinito!
Isto claro no domínio da minha imaginação. Em tradução literal, leia-se:
Mas bem sei que me espera um final de dia estonteante, momentos inolvidáveis de puro horror, tempo para uma tortura chinesa, ou um jantar com muito dramatismo, ou quem sabe uns sarilhos, umas dores e um recadinho onde se pode ler:
Amor, estou que nem te posso ver;
É a limpeza da casa que não se sente;
Sou eu que ando descontente;
És tu que desafinas até doer;
É um não querer mais e ter que ser;
É o bicho que não janta com a gente;
É o tempo que não me deixa contente;
É saber que amanhã continua a chover;

Amor, pró jantar quero cabrito!

E só para termirar, cá uma beijinho chauck http://www.youtube.com/watch?v=tZjBm1NQoVs

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

A minha mansão é uma animação! Episódio #2

Por várias vezes já tenho comparado as marquesas a “jecos” (cão vadio, cão sem raça, ou apenas uma maneira terna, à moda do Porto, de chamar cão), mas na verdade, estou mais convencida do que nunca que aqui a cadela sou eu!
Como muitos devem saber a minha empresa é considerada uma das 5 melhores empresas para se trabalhar em Portugal, é marcada pela informalidade e preocupação com o bem-estar dos colaboradores, oferecendo-lhes as melhores regalias, horários e programas de trabalho flexíveis, é uma empresa family-friendly, isto é, reconhece que funcionários e funcionárias têm responsabilidades familiares e aceitam o fato de que essas responsabilidades podem ter um impacto sobre a vida laboral.
Não é nada, estava a brincar! Se o fotografo que veio dizer que o Obama tinha uma caso com a Beyoncé, porque estava a brincar, eu também posso! Então já não vos disse que sou funcionária pública!!!
Mas até tenho um privilégio, uma vez por semana faço ginástica à hora do almoço e esse dia foi ontem, depois de um interregno de várias semanas, o recomeço foi estafante. Vai daí que decidi que me ia deitar cedinho e recompor-me com um revitalizante sono.
Depois de alimentar o ego da marquesinha nas suas exibições apalhaçadas, muitos risos e muita cocega, viro para a marquesa R que está em preparação para os testes. O tema era o sistema urinário e o reprodutor. Saco de hábeis táticas de escape às perguntas mais embaraçosas e lá consegui! Consegui deitar-me, porque isso do cedinho, “tá quieto”!
Mas também de que importa deitar mais cedo ou mais tarde, quando se vai passar a noite em vigília? Foi encantador e inquietante, passei a noite a acudir a piquena e a cantar-lhe…
Seja como for, tive várias horas para tentar perceber o que a criança tinha para berrar e chorar como se não houvesse amanhã, mas confesso que a canseira e a falta de paciência me conduziram próximo de um esgotamento. Uma vez que se baba como um camelo, só me resta acreditar que os sacanas dos molares querem é aparecer!
O Homem-bala, como sempre não deixa a menina chorar, coitadinha! E à semelhança de outras vezes, concluímos que trazê-la para a nossa cama é como guiá-la para a feira-popular, sendo que no carrossel está o pai a fazer de cavalinho e a mãe faz de mulher das cavernas, tudo isto, passado claro, na casa assombrada. De maneiras que, volta para o seu quartinho!
Alegre, é assim que se prevê o dia de hoje, muito alegre. 

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

E tudo o vento levou... E leva... E vai levando!

Ora aqui estou eu…
Voltei, voltei, voltei de lá…. Tra lá lá
A piquena portou-se lindamente, assim como assim é igualzinha mãe, firme e hirta como uma barra de ferro! Porém contudo, tenho a leve sensação, que para além dos tubinhos lhe devem ter deixado inadvertidamente umas pilhas Duracell! É vê-la a cantar, dançar, a deitar tudo abaixo…
Quem também veio para arrebatar foi a Stephanie, não, não é a do Mónaco! É mesmo a tempestade que veio para devastar tudo. E eu que até já tinha passado pelo pânico da chuva de calhaus, relembrei aqueles momentos de terror, e temi novamente que a casa me caísse em cima. Segundo simulacro e continuo sem plano de emergência!
Desta vez não tive estragos, apenas uma ligeira impressão que um gaijo estava lá fora a preparar-me uma serenata, mas como eu não aparecia à janela, limitou-se a passar a noite toda a assobiar e a sacudir as persianas! Chato! É que nem me deixou dormir sogadita!
E agora venho trabalhar cheia de pujança e tesura e não é que está uma brisa estranha! Eu quero, porque quero, e quero muito vir trabalhar e o sacana do vento empurra-me para trás. Eu até voltava para casa, sabem bem como preciso de um dia para repor energias, mas não me parece que a desculpa seja credível:
- Ah e tal, eu vim, eu até estava quase a entrar, mas o vento empurrou-me!...
Estou a ficar sem forças para lutar contra ele, por isso aqui vou eu...
Se aparacer nas Maldivas ou Miami, no problem!

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Com o coração apertadinho!

Amanhã a marquesinha, vai a modos que, meter uns tubos pelos "óbidos" a dentro...
Estou com o coração muito apertadinho e tenho pesadelos, tenho ataque de pânico só de pensar que me possa aparecer assim?


Não vá alguém confundi-la com um abajour!
Também tenho inquietações sobre os atributo sonoros que entretanto possa vir a adquirir.
Ora quem me conhece, sabe bem que falo pouco e baixinho! Será que a piquena me vai expulsar de casa?
E agora? Agora...
video

Estoy muy nerbiosa...

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Parabéns ao FB, muitos likes de vida...

Chi patrão.. o Facebook faz anos e fez um vídeo para mim? Gostei sim senhora...
https://www.facebook.com/#!/lookback

Qual é o melhor dia para praticar o amor?


Um estudo publicado pelo site “Love Honey”, chega à conclusão que o melhor dia para fazer o amor, é o sábado ao final do dia.
Primeira pergunta: O estudo abarcava os casais com filhos? Sábado ao fim da tarde? E o quê que se faz à criançada? Só se for a alta velocidade, sem lugar a gemidos e num local ultra secreto.
Depois, é preciso que não estejam visitas, de outro modo vai dar barraca.
Eu cá tenho as minhas dúvidas, não por não ter apetite, às vezes bem que trocava as maravilhosas empreitadas domésticas, aliadas aos “oh mããeeee”, por umas cambalhotas valentes.
O mesmo estudo fala de, em dias da semana, apenas 10% dos casais acasalarem pela manhã, por receio de se atrasarem para o trabalho. Ora, haja algum iluminado que explique ao homem-bala que isso é uma razão válida?
O mesmo site aconselha os casais a marcar na agenda quando vão fazer amor. E eu tudo bem, estou aqui a olhar a ver onde é que vou encaixar essa “tarefa”… hum hum… e se for aqui?!... se calhar, aqui não dá…  hum … não estou a ver?! O tempinho que me resta, por norma, aproveito-o para dormir.
Acaba a concluir que dois terços dos inquiridos apontaram o verão como a época mais propícia para o sexo, enquanto 16% escolheram o inverno. Ora sobre isto não tenho a mínima dúvida, o ritual de arrancar a vestimenta em período glaciar é bem mais penoso do que quando andamos mais descascados, e aí tudo “rola”.
Sobre este assunto, resta-me acrescentar que faltou ainda averiguar o melhor local. Em cima da máquina de lavar? Na cozinha? Se bem que mesmo assim me parece que sábado ao fim da tarde não?!
Claro que não vou dar conhecimento do estudo ao cientista da mansão, se não ainda se lembra de levar a investigação a tese de doutoramento e valha-me Deus! Chego a temer umas aulas extra!
Ó meusss amigosesss, num havia necessidade… o amor é quando um homem quiser!!! (e o mal é mesmo esse, um homem quer sempre!!)

domingo, 2 de fevereiro de 2014

02.02.2002

Podia muito bem ser o nome de uma exposição ou o número de série dum lamborghini, quem sabe talvez um código de acesso a uma conta na Suíça.
02.02.2002, é muito mais do que possam pensar. Foi o dia em que me colei ao homem-bala e ele a mim, o dia em que entendemos que uma capicua conciliada à chuva poderia ser um bom presságio para um “felizes para sempre”.
Noup! Não fomos felizes sempre, nem sequer somos um exemplo a seguir. Vamos embirrando, fomos assim e vamos continuar a ser, de outra forma não seriamos uma espécie de Nelo e Idália (não que o homem-bala seja abichanado!).
Temos as nossas peculiaridades e alienações e estamos quase sempre às cabeçadas, mas o que fazer?! É mesmo assim e se calhar assim será por muitos anos, quem sabe? De outra forma não seriamos Nós.
Destes desvaneios, cambalhotas e piruetas germinaram duas primorosas marquesas, razão pela qual muitas vezes encontramos sentido para esta passagem.
Muitos poéticos esperam que espete para aqui uma historieta muito romântica, uma declaração de amor que tenha recebido ou uma banda sonora da minha vida. Lamento, mas não somos assim! O que realmente nos fez e faz rir acontece muitas vezes no esconderijo da mansão ou em pequenos ápices que nos levam a ver que o amor não se faz, vai-se desfrutando. E com muitos altos e baixos, (como um interruptor), e com inúmeras embirrações e caprichos de ambos, que não raras vezes resultam em mais júbilo. E é tão bom!
O que é certo é que o balanço é indiscutivelmente positivo, o que sinceramente me faz pensar no que por aí vem.
Pois bem, resumindo, se um dia pensarem que a conquista é uma empreitada única e vitalícia, meus amigos e amigas, como diz o portuense – “Bai à bolta!”. Tudo isto dá muito trabalho, implica muitos sacrifícios, muita dedicação, muitas renúncias, muitas perdas e sobretudo muita cedência, para de alguma forma nos sentirmos retribuídos.
Ahh! E isso das capicuas, mitos e lendas, casamento molhado, casamento abençoado é uma treta, é como tiver que ser!
Então  em vez de um almoço romântico a dois, vá lá no máximo a quatro/ cinco (contando com o dragão), com lagosta e muito marisco, fomos almoçar fora é certo, mas foi a casa da sister com  resmas de gente, que assim não há cá romantismos, quanto muito... ups... agora não posso, vem aí o homem-bala! Até amanhããã...... 

sábado, 1 de fevereiro de 2014

A minha mansão é uma animação...

Hoje decidi dedicar algum tempo à maldita beleza, e resolvi ir pintar a trunfa, claro que não fui a única a ter a ideia e portanto em vez de uma hora, demorei aí umas três. Meio de propósito, fiquei sem bateria no telelé, ainda tive tempo de passar na confeitaria e levar uns docinhos para mimar os glutões, mas de nada me valeu, quando cheguei á mansão estava o caos instalado.

Pela sala é bem possível que tivesse passado um furacão, pela cozinha (que é a mesma coisa) os habituais devoradores, mas daqueles que deixam uma rasto imensurável, de maneira que pego nas cachopas e toca a meter em vinhadalhos (que é como quem diz no banho), sal (de banho), shampoo para cabelos rebeldes, e uma loção à base de lixívia. Mas para quem é mãe, sabe bem que o efeito nestas criaturas depois do banho, é mais ao menos o mesmo que o dos cães, ao princípio não querem ir, mas depois ficar tresloucados!

No rescaldo e já depois do bandulho cheio, cabe-me a mim arrumar a bagunça, nessa altura conto sempre com a masrquesinha para meter a loiça na máquina, e quando digo meter, estou a ser muito meiga, porque na verdade ela está mesmo atirar.

A marquesa R engalfinhasse com o tablet e o homem-bala fica a venerar o casulina, o filho mais novo, o bicho-bicha. Ora a marquesinha que ainda acha graça a ser mandada, corre de um lado para o outro como que a exibir troféus – ó pra mim tão educadinha!

Até aqui tudo bem, quer dizer, talvez não, bem até aqui tudo mais ou menos bem, eis senão quando a marquesinha aciona o alarme depois de se ouvir um estrondo. Ora a marquesinha ao contrário da irmã, raramente abre a torneira e portanto quando o faz é caso para manter o inem sobre aviso. Perante o acontecimento a marquesa R, nem pestaneja, não vá o tablet ganhar asas e voar sem ela contar, mas ainda assim atira um – caiu no chão?
- não minha querida, caiu no teto! - contraponho certa de que vai reagir, mas nem assim!
Eu com as mãos ensopadas suplico ao homem-bala que reaja. Ele que sem eu perceber trazia o bicho-bicha no pescoço, temendo uma queda do animal, levantasse como que a encarnar o godzilla, com aqueles braços arqueados e com manobras de malabarismo lá pega na catraia, e um tanto ao quanto em pânico vocifera um – ai que está a deitar sangue pela boca! – e lá vou eu em versão flecha socorrer a piquena, mas dou de chofre com o raio do tinhoso encavalitado no lombo gajo… só me apetecia lançar-lhe um gás capaz de o fazer voar até ao deserto que é lá que devia estar! Mas uma vez que o foco é a marquesinha que está em apuros, o asqueroso passa a segundo plano!
Quando tomo conta da ocorrência, e uma vez que a miúda já estava a achar escarcéu a mais para uma quedazinha, olhando para nós com cara de quem – está tudo bem, que exagero! Olho bem e lá estava ele, o malvado... morango!!! Ali enfiado pela boca dentro, armado em sangue!