"I´m a princess! And this is not how a princess is supposed to look!"

Sariu no Facebook

segunda-feira, 17 de março de 2014

Marquesinha, a gasparzinha!

 
Sábado à noite- jantar fora- restaurante cheio (de marcadores envergando o belo do marcador a dizer: “reservado”), saco do meu charme e peço ao empregado se prevarica e libera uma mesinha reservada para a família feliz. Ele cede! Daí para a frente, tudo material digno de um post.
Passavam mais de 21 horas de um novo dia e o restaurante continua cheio de mesas com indício de reserva. Provavelmente esperam uma avalanche de criaturas! (pensei eu)
Lá nos sentamos meio a medo do que por aí vinha.
Logo que pode, o servente tira os olhos do futebol e vem em direção à única mesa ocupada com gente de carne e osso (a nossa). Peço sopinha para as marquesas, mas não tenho resposta positiva e tenho cada vez mais a convicção de que não estávamos para ali previstos e tudo o que se arranja são restos de um enorme evento que se avizinha.
Socorro-me de um menu infantil, talvez consiga saciar as ávidas crias. Na linguagem destes sabedores, o menu infantil é assim composto por uma salsicha e ¾ do prato com batatas fritas.
Lá fomos conquistando alguma atenção ao funcionário, apesar do jogo muito estimulante, e qualquer distração poderia deixá-lo desvairado.
A marquesinha gama tudo o que é salada do prato do pai e suplica-lhe tchim-tchins de 5 em 5 minutos.
Saímos de fininho, empanturrados de desagrado. À frente vai o paizinho com a piquena, e eu fico para trás a rastejar a Marquesa R, que aproveita para coreografar o musicol.
Eis senão quando, rebenta uma bomba, pensei eu, ou talvez não, mas certo é que se assemelhada ao estrondo. Toca o alarme real! Vou a ver, estava a marquesinha esbardalhada na porta de vidro. Largou o pai e veio a passo de bala ter com as ladies. Pensou com certeza que  era o fantasma gasparzinho, ainda assim não conseguiu transpor o vidro.
Concluindo, chorou que se fartou. O mais desconcertante foi que nenhum inocente de dentro do restaurante se mexeu, apenas uma transeunte nos aborda oferecendo ajuda.
GandasBois! Nunca mais lá volto!  Foi aliás, muito provavelmente o que pensaram os clientes fantasma que tantas mesas reservaram !

Sem comentários:

Enviar um comentário