"I´m a princess! And this is not how a princess is supposed to look!"

Sariu no Facebook

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Fui abandonada... como uma cadela!

Que eu sou uma princesa a modos que, pouco convencional, já se sabia, que tenho uma vida de cadela, também já se constava, mas em boa verdade, quando dei o título ao blog, nunca pensei que a minha vida fosse mesmo assim tão... PQP…alegre, vá!
Não é que agora fui (esta parte é para ser lida a cantar, a música é aquela da Ágata)
Abandonada, abandonada
Serei sempre uma princesa meia atolambada
Abandonada, abandonada
Foi assim que ela me deixou, sem vida e sem nada
Foi a minha auxiliar da vassoura esfrega retretes (também conhecida por empregada) que me abandonou. E agora?! Ai que estou a falecer… ou talvez não, talvez esteja apenas a passar-me. Não sei se me faço entender, eu não tenho tempo!
Das duas uma, ou deixo de trabalhar ou deixo de dormir. Vamos lá fazer o exercício:
Deixar de trabalhar. Talvez não fosse má ideia, assim como assim, estou bem perto de gastar mais para trabalhar do que ganhar, se bem que não me imagino sem o mulherio lá do serviço a atormentar-me o neurónio (o único que tenho), ou a implorarem-me para eu me calar, ou a suplicarem para não cantar. Não, não, não me parece grande solução, e depois como é que sobreviviam sem mim? Primeiro hipótese, fora de questão.
Segunda hipótese, deixar de dormir. Hum… pode ser, quer dizer, não sei…já tenho tido umas boas aulas, ainda esta noite foi um forrobodó, e não falo das piruetas com o homem-bala, foi mais a marquesinha que adora mostrar-me que a noite é para desfrutar e não deve ser desperdiçada com um sono revitalizante. A piquena que humanizou a personagem do Baby Shrek, (uma vez que a mãe é Fiona), sofre para chuchu com a cera no "óbidos"  (termo não convencional para ouvidos), e é só de noite, que assim não maça as educadoras, prefere inquietar a mãe. Em desespero acabo por levá-la para a nossa cama, mas a catraia parece uma cadela naquele ritual que os cães têm antes de se deitarem que demoram uma eternidade, para depois adotarem as posições mais estranhas, então rola, rebola, volteia, vira, revira e volta e virar! Quando digo uma cadela, refiro-me a uma raça específica - caniche, porque a piquena agora decidiu homenagear o Marco Paulo nos tempos áureos, ou o Serafim Saudade, enverga uma sublime carapinha que teima em não crescer.
O ideal seria mesmo trabalhar só um bocadinho para manter a sanidade e o “cumbíbiu” (outro termo, menos vulgar para convivência, apenas utilizado no Porto), ganhar o dobro do donativo mensal (há quem lhe chame ordenado, mas eu não consigo), mas ganhava algum tempo para as limpezas e já agora para dormir!

3 comentários: